Degelo polar se acelera a níveis alarmantes, dizem cientistas

.

Cientistas de todo o mundo repercutiram, nesta quinta-feira, o deslocamento do iceberg gigante de uma geleira na Groenlândia. Verão no Hemisfério Norte, esta é a estação do ano que mostra, com mais clareza, os níveis de aquecimento global. As calotas polares do Ártico derretem a um ritmo até agora nunca verificado na história humana e um consenso começa a se formar na comunidade científica: é apenas uma questão de tempo até todo o gelo da região derreter.

Segundo o projeto Catlin Arctic Survey, liderado pelo explorador polar Pen Hadow, que analisou o comportamento do gelo ártico por três meses, falta apenas uma década para o Pólo Norte se tornar um grande oceano aberto. Mas segundo os cientistas da NASA, a previsão é ainda mais desanimadora: o gelo das calotas pode derreter totalmente no verão deste ano. Um cenário que se imaginava improvável há alguns anos, mas que cada vez se torna mais real, à medida que os impactos do desenvolvimento insustentável da humanidade vão acabando com a pouca reserva de gelo ainda existente.

– O oceano Ártico desempenha uma posição central no sistema climático da Terra – alerta Martin Sommerkorn, da World Wilde Foundation (WWF).

Um recado para quem ainda não percebeu que o planeta inteiro está conectado, e o que acontece numa região exerce influência direta sobre as outras. E complementa:
– Esse processo poderá causar inundações que afetarão um quarto da população mundial, aumentar de forma substancial as emissões de gases-estufa (que costumam ser aprisionados pelo gelo) e provocar mudanças climáticas extremas.

Gás metano

degelo das calotas polares toma proporções mais do que alarmantes. Uma das principais preocupações dos ambientalistas é o gás metano, cerca de 20 vezes mais potente que o dióxido de carbono. Cientistas chegaram a conclusão de que as geleiras servem como um super depósito do gás, e conforme elas vão desaparecendo, mais acelerado se torna o processo de aquecimento global. A liberação de metano é tão grande que o gás mal se mistura com a água, e, depois de formar bolhas na superfície, é liberado quase que instantaneamente pra atmosfera. Estudos realizados na região indicam que a temperatura está subindo, e já acumula um acréscimo de 4 graus Celsius nos últimos anos.

Outra preocupação dos ambientalistas é o derretimento das geleiras da Antártica. Uma alteração nas calotas polares, de forma irreversível, elevaria os níveis dos oceanos mais rápido do que o previsto. O derretimento das geleiras da Antártica e da Groenlândia juntas tende a desestabilização outras massas glaciares de grande importância, acelerando um processo generalizado de desintegração. Peter Clark, glaciologista da Universidade de Oregon, dá uma idéia do que vai acontecer, caso a velocidade do aquecimento global permaneça nos atuais níveis. Segundo o especialista, o degelo pode fazer o nível dos oceanos subir muito mais e mais rapidamente do que mostram as projeções anteriores. Degelo que é atribuído principalmente ao efeito estufa, fenômeno que causa o aquecimento excessivo da Terra. Efeito estufa que, por sua vez, se origina do acúmulo excessivo de gás carbônico (CO2) e gás metano (CH4) na atmosfera e impedem que o calor provocado pelo Sol deixe a atmosfera do planeta.