Conselho de Segurança da ONU analisa pedido de criação de Estado …*

.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) se reúne nesta segunda-feira, em Nova York, para analisar o pedido do presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, de criação de um Estado autônomo e independente. A decisão depende de nove dos 15 votos do órgão, sendo que entre os países que ocupam assentos fixos não pode haver rejeição.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já informou que votará contra o pedido de Abbas. A expectativa é que as discussões no conselho levem cerca de quatro semanas até a sua conclusão. Na semana passada, durante as reuniões da 66ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, Abbas foi aplaudido de pé por representantes de vários países.

A presidente Dilma Rousseff defendeu o direito de os palestinos terem um Estado autônomo e independente. No ano passado, o Brasil reconheceu o direito de criação da Palestina. Dos 15 membros do Conselho de Segurança, seis se manifestaram a favor dos palestinos. Dos 193 países que integram as Nações Unidas, os palestinos dizem contar com o apoio de 127.

A previsão, de acordo com diplomatas que acompanham as negociações, é que a ONU estabeleça para os palestinos o status de Estado observador, como o Vaticano. O quarteto para as negociações do Oriente Médio, formado por representantes dos Estados Unidos, da União Europeia, das Nações Unidas e da Rússia, propôs uma retomada das negociações, estipulando um prazo para um acordo final até 2012.

As discussões foram interrompidas em setembro de 2010, com o fim da suspensão para a construção de novos assentamentos na Cisjordânia. Abbas disse ontem (25) que não haverá negociação sem uma interrupção total das construções. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, nos seus discursos, tem dito que que a paz só será possível “se todas as condições estipuladas pelos palestinos forem colocadas de lado.”

A defesa de Abbas pela criação de um Estado da Palestina, nas discussões da ONU, fez com que a popularidade dele alcançasse níveis sem precedentes, segundo observadores estrangeiros. Na última sexta-feira (23), houve confrontos entre israelenses e palestinos.

.