Banco Central começa a decidir hoje nova taxa básica de juros, que pode reduzir ganho da poupança

.

O Copom (Comitê de Política Monetária), constituído pelos diretores do BC (Banco Central), começa a decidir nesta terça-feira (29) o futuro da taxa básica de juros da economia, a Selic.

Espera-se que a taxa caia dos atuais 9% para 8,5% ao ano, conforme divulgado pelo boletim semanal Focus, uma pesquisa feita pelo BC junto a analistas e bancos. 

A definição da nova Selic será divulgada na próxima quarta-feira (30) e, se os prognósticos se confirmarem, o poupador brasileiro passará a ganhar menos com a caderneta de poupança.

O ajuste de 0,5 ponto percentual levaria a taxa ao menor nível histórico, além de dar continuidade a uma sequência de cortes iniciada em julho do ano passado. Foram quatro reduções de 0,5 ponto percentual e duas de 0,75 ponto percentual. A expectativa do mercado é de que os juros mantenham apenas um dígito em 2013, com taxa anual a 9,5%.

Para estimular a queda da taxa básica de juros, o governo federal alterou a regra da poupança dos brasileiros. Caso a nova Selic seja de 8,5% ao ano ou inferior, o rendimento das cadernetas passará a ser de 70% da taxa básica de juros mais a TR (Taxa Referencial). 

Atualmente, com a Selic a 9% ao ano, o dinheiro poupado rende 0,5% ao mês (6% ao ano) mais a TR.

Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o governo não quer ser o responsável para que a Selic não caia mais, caso haja condições. 

— Pela evolução da sociedade brasileira, além da queda da inflação e do nível de atividade econômica, temos de deixar pronto um sistema que permita a queda da Selic. Temos que deixar caminho livre para mudança.

Selic

A Selic é chamada de taxa básica porque é a mais baixa da economia e funciona como um piso para a formação dos demais juros cobrados no mercado, que são influenciados também por outros fatores, como o risco de quem pegou o dinheiro emprestado não pagar a dívida.

Ela é usada nos empréstimos interbancários (entre bancos) e nas aplicações que os bancos fazem em títulos públicos federais. É a partir da Selic que as instituições financeiras definem também quanto vão pagar de juros nas aplicações dos seus clientes.

Ou seja, a taxa básica é o que os bancos pagam para pegar dinheiro no mercado e repassá-lo para empresas ou consumidores em forma de empréstimos ou financiamentos, a um custo muito mais alto. Por isso, os juros que os bancos cobram dos clientes é superior à Selic.

Copom

A reunião do Copom é dividida em dois dias. No primeiro, a ser realizado nesta quarta-feira, os chefes de departamento do BC e o gerente-executivo de Relações com Investidores apresentam análises sobre a inflação, nível de atividade econômica do País e evolução do mercado financeiro.

No segundo dia, participam apenas o presidente e os diretores do BC, todos com direito a voto, além do chefe do Depep (Departamento de Estudos e Pesquisas), sem voto. Os diretores de Política Monetária e de Política Econômica analisam as projeções para a inflação e fazem recomendações para a taxa de juros de curto prazo. Em seguida, todos os diretores se manifestam e apresentam eventuais propostas alternativas.

Criado em junho de 1996, o Copom tem o objetivo de estabelecer as diretrizes de política monetária e de definir a taxa de juros, nos mesmos moldes do Fed (Federal Reserve, o BC americano).

arte - poupança nova

 

17/08/2011

.