“A perseguição é parte da vocação cristã”, diz bispo*

.

 

Três anos após o massacre em Kandhamal, o número de fiéis na região de Orissa está crescendo, diz o arcebispo da região, John Barwa.

Enquanto a perseguição aos cristãos permanece, a fé das pessoas tem crescido e “o número de fiéis está aumentando”, disse o arcebispo, que foi recentemente empossado como o novo arcebispo de Cuttack-Bhubaneshwar.

“A perseguição existe, enfrentamos muitos desafios, sempre estamos preocupados. Mas acreditamos que a perseguição é parte da nossa vocação cristã e da nossa vida cristã. Não temos medo, nós temos que viver para Deus”, disse o arcebispo em entrevista para a Fides.

“Sabemos que, onde há perseguição, a fé se fortalece e hoje eu tenho orgulho de dizer que a fé do meu povo está se fortalecendo. O sangue derramado por causa da nossa fé em Cristo é sempre a semente de novos cristãos. Em Orissa, o número de cristãos está aumentando.”

De acordo com o Conselho Cristão da Índia, 14 dos 30 distritos do estado de Orissa foram afetados pela violência religiosa. Foram 6 mil casas queimadas em 400 aldeias, incluindo 296 igrejas e lugares onde se realizavam cultos cristãos.

“Em resumo, há ódio e hostilidade contra os cristãos, que resultam em discriminação em nome de alguns setores da sociedade e também para as instituições”, disse o Arcebispo.

John Barwa ainda disse que a população da região não tem confiança na polícia e na segurança deles, pois constantemente sofrem violência e não são ajudados.

Fonte: Portas Abertas

 

O QUE FOI ESSE MASSACRE?

 

Mais de 50 pessoas, principalmente cristãos, foram mortos desde que os fundamentalistas hindus lançaram um ataque contra os cristãos após o assassinato de quatro membros do VHP, incluindo 90 anos de idade Laxmananda Saraswati por atiradores não identificados em 23 de agosto de 2008 no distrito de Kandhamal de Orissa. Milhares de cristãos fugiram de suas aldeias e cerca de 30.000 pessoas foram deslocadas das quais cerca de 15 mil teria procurado abrigo. Como a entrada nas zonas afectadas foram bloqueadas com troncos, ambos do Estado e Comissão Nacional de Direitos Humanos estavam faltando. CAIS insta o Governo Central da Índia que tome as medidas necessárias e imediatas.

*Massacres Kandhamal: Onde está o Estado? Governo Central da Índia deve parar os assassinatos

.